segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

CONFORTABLY NUMB

Ontem à noite, dando uma zapeada pouco antes de ir dormir vi que estava passando um show do Pink Floyd no Multishow.

Engraçado: eu gosto muito mais desses caras agora que estou mais velho do que quando era garoto. Talvez seja porque algumas de suas canções passaram a fazer sentido para mim.

Ouvindo "Time" não pude deixar de notar extrema semelhança entre a letra da música e coisas que passam por minha cabeça de vez em quando:

"...E então um dia você descobre que dez anos ficaram para trás
Ninguém lhe disse quando correr, você perdeu o tiro de partida.

E você corre, corre atrás do Sol, mas ele está se pondo,
Fazendo a volta para nascer outra vez atrás de você.
O Sol é relativamente o mesmo, mas você está velho,
Com menos fôlego e um dia mais próximo da morte.

Cada ano vai ficando mais curto, parece não haver tempo para nada.
Planos que dão em nada, ou meia página de linhas rabiscadas.
Esperar em quieto desespero é o jeito inglês.
O tempo se foi, a música terminou, pensei que eu tivesse algo mais a dizer..."

De fato, na prática, minha vida não mudou nada desde que entrei em depressão a não ser pelo fato de não mais me sentir tão mal como nos piores momentos da crise. 

Mas minha vida profissional não andou nem um centímetro... Continuo tentando algumas coisas, mas não saio do lugar. 

E, de certo modo, pior ainda: não acho que deva me debater para tentar qualquer outra coisa. Me parece inútil.

Será que ainda estou/sou deprimido ou é apenas a idade, a realidade e a lembrança dos últimos vários anos "perdidos" (in a relative way..)?

Será que essa minha relativamente feliz inércia é, como em "Confortably Numb",

"...essa sensação mais uma vez,
não consigo explicar, você não entenderia.
Não é assim que eu sou,
Me tornei confortavelmente entorpecido...".






6 comentários:

  1. oi!!!! pior que tem dias que eu me sinto assim, como vc. cansada, sem fôlego. só quero chorar.....

    ResponderExcluir
  2. E de fato, é inútil.

    Acompanho seus posts há muito tempo, nunca comentei nada, nunca julguei nada. Só o que vejo são verdades. Nossas histórias podem ser bem diferentes, mas o contexto é o mesmo, duas pessoas racionais lutando irracionalmente para conseguir sobreviver em um mundo de loucura, estupidez, egóismo e aparências.

    Na minha opinião, algumas vidas apenas não fazem sentindo algum, não valem a pena serem vividas. E por que deveria valer a pena? Somos só o fruto de uma sopa caótica de átomos e incidentes que nos fizeram vir ao mundo. É querer demais que todo mundo tenha uma vida aceitável.

    Penso que é muita ingenuidade seguir em frente estando ciente de que estou sendo engolido pouco a pouco pela areia movediça da insanidade. Estando ciente de que minha natureza não é forte o suficiente para aguentar tudo isso. Para pessoas como eu, só duas saídas existem: A loucura plena ou a morte.

    Não sou nenhum sábio, tampouco dono de uma inteligência acima da média, só tive tempo livre demais para analisar coisas que não deveriam ser analisadas. Ás vezes quase sinto inveja dos desatentos, dos alienados, daqueles que dão mais atenção ao que vai acontecer com o personagem da novela do que ao próprio destino. Digo "quase", porque prefiro estar onde estou, ser quem eu sou, sofrer como eu sofro, do que estar sendo enganado.

    Não que minha única visão de vida seja o sofrimento, algumas pessoas nascem com personalidade e/ou condição de conseguirem se divertir nesse inferno mesmo sabendo de tudo o que acontece, dessas sim, eu realmente tenho inveja. Inveja saúdavel se você quer saber.

    São 4 da manhã e aqui estou eu, na plenitude de minha juventude, com 21 anos, e não enxergo outra saída para dar um fim ao meu desespero e continuidade ao vazio que já me habita senão pular da janela de meu quarto. Só me falta a coragem de passar por esses 5 segundos de queda livre, nada que 700ml de vodka não resolvam...

    A única coisa parecida com "felicidade" que sinto, é quando visualizo essa cena, um mergulho triunfal e libertador no oceano de mármore.

    Maldita curioside humana. É só o que me prende aqui. Ainda tenho vontade de saber o que acontecerá amanhã, e depois de amanhã, e semana que vem. Mesmo sem esperanças. Tenho que aprender a lidar com esse instinto se quiser ter algo parecido com paz.

    Certa vez li que se você vive é porque acredita em algo. Eu acredito em meu suicídio. Mas você não pode dar de cara com essa solução e pular da primeira janela que vê, é preciso sintetizar toda essa informação antes de efetuar o ato, acredito que logo logo conseguirei me libertar, logo logo.

    Sem alarmes, sem surpresas. Silêncio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O único que pode preencher esse vazio no coração é Jesus. Não o Jesus inventado pelos rituais religiosos, mas o verdadeiro. Conhece a história de Adão e Eva? Deus criou os criou santos e perfeitos. No começo não havia tristeza, nem doenças, nem dor. Mas Deus os advertiu: podeis comer de todos os frutos do jardim, mas há um fruto que não podeis comer, porque se dele comerdes, certamente morrereis. Infelizmente, eles comeram e hoje estamos sujeitos a tudo isso(doenças, dor, tristeza, etc). Mas Deus nos amou tanto, que, mesmo já dada a sentença, se fez homem e suportou a cruz, para pagar nossos pecados. Todo aquele que crer nisso e voltar para perto Dele, será salvo. Na eternidade, nunca mais haverá doenças, dor, depressão, etc.. Apenas, alegria. Te dou um conselho: creia nisso. Sua tristeza aqui na terra, nossa tristeza aqui na terra não acabará totalmente, mas Jesus nos dá forças para prosseguir.

      Excluir
  3. Bom ver você por aqui de novo, espero que apareça mais vezes.

    De fato, 'Time' também me faz pensar no tempo que eu perdi afogada na minha depressão... Estou em tratamento, mas não perdi nenhuma das minhas convicções, ainda vejo o mundo com os mesmos olhos cinzentos.
    Só não tenho mais o impulso de ir embora antes do tempo.

    Mas agora me sinto como o cachorro correndo atrás da cauda, me vejo nadando sem nunca chegar na praia.
    Faço planos que não consigo levar pra frente e muitas vezes acabo me entregando aos meus vícios, volto pra aquele lugar escuro, mas que me é familiar.

    Abraço,
    Isabella

    ResponderExcluir
  4. Meu amigo, Renato Limão e eu estamos com um projeto de reeditar um fanzine chamado "Não Funciona". Gostariamos de publicar sua crônica
    "A Origem da Páscoa - Versão Science Fiction". O fanzine terá distribuição gratuíta então o fim será apenas de divulgação. Se for do seu interesse e nos autorizar a publicar a sua crônica, envie também uma mini-biografia. Meu contato alceuvitorpx@gmail.com --- Alceu.

    ResponderExcluir
  5. Já passei por severos momentos de tristeza, sei como é olhar ao redor e ver apenas coisas fúteis. Mas, encontrei alguém que preencheu meu vazio. Esse alguém é Jesus Cristo. Não o Jesus da prosperidade, mas sim, o Jesus verdadeiro, o Filho de Deus, que mesmo sendo Deus, desceu à terra e morreu no nosso lugar. Jesus não é religião, mas sim, o próprio Deus que nos criou, e que nos ama. Nos amou tanto que morreu no nosso lugar, mas ao 3° dia ressuscitou e vive eternamente. Ele é o melhor amigo que podemos ter. Convido-te a experimentar desse amor verdadeiro, sincero. Lógico que é necessário tratamento contra depressão, mas Ele, só Ele, poderá dar sentido, e alegria para nossas vidas. Procure conhece-Lo, as respostas que precisamos estão com Ele.

    ResponderExcluir