quinta-feira, 5 de maio de 2011

Olá pessoal.

Algumas pessoas me escreveram dizendo que sentem saudades de meus posts. É muito bom receber mensagens assim.

Estou distante do Crônicas há algum tempo e ando me torturando com a ideia de que abandonei os leitores. Queria bolar algo bom pra escrever a vocês mas, dada a urgência em minha consciência, vai assim mesmo.

Será, ao menos, uma satisfação.

Sendo até demasiadamente curto e grosso, aí vai: não tenho postado mais nada aqui porque eu não me sinto mais deprimido. Simples assim.

Quando escrevia, sem muita elaboração de ideias, de estilo ou de gramática, eu estava sendo sincero, como que purgando algo de dentro de mim.

Agora, confesso, tenho até certo receio de começar a escarafunchar os pensamentos, que estão voltados para outras questões, minha mente em outra sintonia.

Não sei bem o que aconteceu. Eu já havia parado com a medicação e terapia há tempos mas continuava a lutar contra um sentimento de angústia constante, de inadequação, de inferioridade e tantos outros que a maioria aqui conhece bem.

Mas, não sei bem como - prometo refletir melhor sobre isso - os ventos mudaram a posição de minhas antenas. Na vida real, prática, nada mudou: continuo sem conseguir emprego de jeito nenhum e pegando um ou outro trabalho pequeno (no sentido financeiro) pra fazer mas, de algum modo, não me sinto mais tão mal como antes.

Então, para não postar algum artigo pra lá de fake, parei de escrever aqui. Salvo o post anterior sobre a Páscoa, tenho me dedicado a outras atividades no intuito de aprimorar minhas aptidões e poder oferecer serviços melhores a quem concordar em ser meu cliente em marketing, publicidade e comunicação.

Não sei se isso é uma fase. Não me sinto "maníaco". Na verdade, ando bem calmo e tranquilo.

Não gosto de dar conselhos e mensagens de positivismo, mas se eu saí do poço de areia movediça psico-emocional em que estava, então qualquer um também sai. É questão de tempo, sorte, ou de vento nas antenas, não sei.

Vou manter o blog no ar, claro, pois sempre há a possibilidade de surgir algum pensamento que valha a pena dividir. Por hora, agradeço a todos que me escreveram e que continuam seguidores.

Um abraço e até breve.
Ou não.

15 comentários:

  1. Pôxa, que bom...sinceramente...minha esperança de sair desse deserto já passou (se eu ainda acreditasse em Deus ou em qualquer coisa diria que sou uma amaldiçoada mesmo), mas fico feliz em saber que outras pessoas conseguiram...
    Dei um prazo até o fim do ano para tentar sentir essa "vibração diferente", caso contrario, não vale mais a pena continuar com essa merda.Estou achando que nem até o fim do ano vou aguentar. Mas quem sabe...embora o chumbinho já esteja guardado e medido (sem erros dessa vez), um dia posso acordar e não ficar triste porque vou ter de enfrentar mais um tanto de horas até a hora de dormir novamente (com auxílio de medicação, lógico)

    ResponderExcluir
  2. Alana, será que vc estaria acabando com a pessoa certa?

    ResponderExcluir
  3. Olá Alana.
    Como diz o ditado, se conselho fosse bom a gente vendia (principalmente agora que preciso muito de uma grana), mas preciso te contar o que fiz (ou o que simplesmente aconteceu comigo).
    Passei por diversas vezes (muitas mais do que achei que aguentaria) situações como a que vc relata.
    Quando estava de saco cheíssimo delas, d aminha vida, das pessoas à minha volta e da humanidade, de repente resolvi, como dizia um colega, "apertar o botão do foda-se"!
    Apertar esse botão no sentido de mandar às favas as neuras e cobranças que nos afligem.

    Não sou como as outras pessoas? Fodam-se.
    Não sou como acho que o mundo queria que eu fosse? Foda-se.
    Não sou ninguém no mercado de trabalho nem tenho perspectivas? Foda-se.
    Ninguém dá a mínima pra mim? Fodam-se!

    Acabei decidindo que deveria levar minha vida, por mais miserável psicológica e emocionalmente ela fosse, a despeito do que eu acreditava que as pessoas e tudo o mais esperavam de mim, por uma simples razão: se não fosse até o fim (sem tentar abreviá-la) simplesmente não saberia como seria meu fim.

    De certo modo, fiquei curioso em saber quanto mais de merda ia acontecer comigo (e até, se é que isso é possível, se algo de agradável ainda podia acontecer).

    Resolvi ir adiante, pura e simplesmente, como um cão. Um cão vive o dia, o presente, o momento. Ele come hoje, amanhã, quem sabe? Tem onde dormir hoje, amanhã, quem sabe? Ele não planeja, ele não teme o futuro, ele não se amargura com as cobranças do mundo.

    Segue em frente e ponto final.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola! tudo bem? fiquei interessada na tua forma de pensar! tenho tentado fazer exatamente o que escreveste,axo q desde a adolescencia mas sempre tive resultados que nao me agradaram. acabava sempre meio que anestesiada e nao liberta! quando voltava da "dormencia sentimental" via que sempre estive presa a essas "coisas" que me faziam sentir uma nada. conseguiste mesmo desligar te? conta me mais por favor!

      Daniela

      Excluir
  4. Ah! E ia me esquecendo de outro detalhe importantíssimo: esqueça o que leu sobre os períodos de depressão, sua duração ou coisas do tipo, por mais especializado que seja seu autor (possivelmente ele é "apenas" um espectador da depressão, jamais passou por uma...).
    Hoje eu vejo a depressão como um processo pessoal de mergulho ao seu próprio interior, e isso é algo muito pessoal. Não dá pra tentar encaixar em "médias" (dura seis meses, dura cinco anos, etc., etc.).
    Não sei ao certo quando comecei a "cair" pra dentro, mas acredito que o MEU período depressivo tenha durado algo em torno de SETE anos.
    Então, de novo: ESQUEÇA PRAZOS. Sua depressão é um tempo que VOCÊ PRECISA PARA VOCÊ MESMO e ninguém neste universo tem como medir o quanto é isso.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, tomara que não leia mais nada seu aqui, já que essas são as condições. Fica bem.

    ResponderExcluir
  6. estou seguindo... vamos compartilhar experiencias!

    ResponderExcluir
  7. vou comentar como anonimo, mas na esperança de conseguir uma resposta e me identificar. fico feliz, pelo o que percebi nesse post, que esteja seguindo em frente e superando essa doença. saber que alguem esta conseguindo me enche de esperanças! mas, na verdade, nao sou eu quem sofre de depressao, descobri que meu namorado tem essa doença ja algum tempo e toma medicaçao. depois de saber disso, tudo passou a fazer sentido, comentarios pessimistas, atitudes e etc. marquei consulta com um psiquiatra e estou lendo e pesquisando muito, na tentativa de ajuda-lo. mas, acredito que uma pessoa que tenha passado por isso verdadeiramente possa ajudar e falar com mais propriedade. estou completamente perdida, o amo muito e quero ajuda-lo, mas me sinto atada. por isso, se possivel, queria trocar algum email com voce, caso voce me responda, mando o meu contato. desejava apenas, alguns conselhos, os mais importantes, algo que nao posso fazer, nem devo comentar nunca, nada que tome muito o seu tempo. desde ja, agradeço!

    ResponderExcluir
  8. Olá Anônima. Não tenho como responder diretamente a você - por motivos bastante óbvios, não?!
    Espero que retorne e leia essa minha resposta.

    Seu namorado toma medicação indicada por quem?

    Sendo extremamente sincero, o melhor conselho (e talvez único...) que posso dar é: seu namorado precisa fazer sessões de terapia. Um bom terapêuta é (foi pra mim) talvez a única pessoa quem tem competência real para lidar com isso.

    A depressão tem diversas características comuns a todos os acometidos, mas cada pessoa tem sua própria "bagagem" e sua doença, apesar das similaridades de sintomas, pode ter origens muito diferentes.

    Por exemplo, alguns encontram alívio na religião, o que para mim era apenas motivo de mais irritação.

    Como conselho secundário (e arriscado), sugiro que leia os artigos na coluna à direita e também os demais posts que escrevi. Vão te dar uma do ideia do que passei, do que me fez sofrer e talvez lhe dê alguma orientação de como lidar com o deprimido. Aliás, há leitores deste meu blog que também mantém ótimos blogs sobre o mesmo problema. Experimente.

    Uma última dica (mais arriscada ainda): eu me decepcionei muito (isso ainda acontece) com humanos, mas nunca com animais. Eles nos amam sem cobranças, sem palpites, sem chavões nem expectativas. Simplesmente sentam ao nosso lado e escutam quando queremos falar e ficar quietos quando queremos ficar apenas sentados, em silêncio...

    ResponderExcluir
  9. antes de tudo, obrigada pela atençao!

    a medicaçao foi indicada por um psiquiatra!
    ja li todo o seu blog e gostei muito dos posts, foi mais esclarecedor ate mesmdo do que artigos de psiquiatras e reportagens , por isso,comentei.
    em relaçao a um animal, ele ja possui um. e depois da descoberta, juntando os fatos, o animal chegou apos a doença.
    e em relaçao a religiao, o acho bastante contraditorio, ele afirma nao acreditar, mas o pego com umas atitudes incompativeis com quem realmente nao acredita em Deus.

    existe outra forma de contato? vou mandar o meu email, dai se nao for abusar muito da sua boa vontade vc me responderia e eu te faria algumas perguntas que me atormentam bastante! prometo que nao vou ser muito extensiva, nem roubar muito seu tempo. é que, de fato, nao sei porque, mas achei vc a melhor pessoa pra me responder.

    flavia_fernanda1986@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. li alguns textos e adorei, está genial!

    ResponderExcluir
  11. Boa tardem gostaria de divulgar tratamento para depressão, que se mostrou 90% eficaz. O tratamento é ministrado em até 10 sessões, com ibogaína, que usada como nós usamos homeopáticamente, ZERA completamente riscos de vida, e se mostra melhores que remédios de controle diário, não só para depressão mais tambem para síndromes como síndrome do pânico. Visite nosso blog, confira videos de pessoas que já passaram pelo tratamento conosco e hoje dizem ter renascido. Informações no site http://ibtasaude.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Olá...
    Li pouco, até pq não estou no momento de paciência, mas gostaria de pedir pra não "deletar" esse blog, pois me parece uma obra de arte, única e apreciável indefinidamente por expectadores momentaneamente identificados por ela.
    Obrigado pela sua depressão e principalmente à maneira como a utilizou para evolução íntima e ferramenta para evolução alheia.
    Um abraço.
    William - lamounier68@hotmail.com.

    ResponderExcluir
  13. Olá.desde já gostei da capa de seu blog.O filme mary e max é um retrato da depressão e o isolamento que vem dela.Luto contra esse mal,há anos,nasci assim,sempre me lembro assim.Fiz um post a respeito no meu projeto de blog,deem suas opiniões.Hair,Café e um bom papo - innovajf.blogspot.com

    ResponderExcluir